Desde Gossip Girl e Sex and The City, nenhuma série havia tido repercussão tão expressiva sobre a moda, especialmente em tempos de quarentena. Emily in Paris foi tudo o que Girl Boss jamais sonhou e muito mais!

O seriado da Netflix, lançado no dia 3 de outubro de 2020, traz todos os ingredientes para a receita de uma série viral: Paris, redes sociais, figurino polêmico, triângulo amoroso e uma comédia romântica repleta de dramas jovens. De fato, Emily in Paris parece que saiu da década de 2000 e conquistou os corações nostálgicos de quem amava a moda e os clichês dessa época.

Emily in Paris tinha a faca e o queijo para conquistar os corações dos telespectadores e realizou com maestria. Seja pela composição da série ou devido às tensões da pandemia que resultaram em uma sede por consumo de moda, o seriado foi um sucesso e se tornou meme nas diversas redes sociais (quem não viu um meme de “Emily em Goiânia” por aí?). O enredo leve funcionou como alívio cômico para as ansiedades de quem estava em quarentena há meses.

Verdade seja dita, antes mesmo do seriado ser lançado, já havia grandes expectativas a respeito do figurino de Emily. O styling foi assinado por Patricia Field, também responsável por Sex and The City e O Diabo Veste Prada, entre muitas outras produções que lançaram tendências incríveis nos últimos 30 anos. A forte influência da moda de décadas passadas por parte da figurinista somada ao enredo leve de comédia romântica fizeram parecer que a série, literalmente, saiu dos anos 2000 ou 2010. Uma deliciosa nostalgia, concordam?

Da esquerda para direita, looks de Emily in Paris, Sex and The City e O Diabo Veste Prada. / Reprodução Elle Magazine

Emily Cooper é uma típica jovem estadunidense nos seus vinte e poucos anos que jura que os Estados Unidos é o centro do mundo. De forma arrogante e individualista, se muda para Paris a fim de trabalhar em uma agência de publicidade sem nem ao menos aprender a língua local antes. Além disso, em diversos momentos a personagem faz questão de enfatizar que o seu papel na agência é “trazer o ponto de vista americano”. De certa maneira, ela faz lembrar Audrey Hepburn, em Cinderela em Paris.

Já nos primeiros episódios, Emily deixa claro que é uma basic bitch (ringard, como diria Pierre Cadault) que entende pouco sobre moda além do que lhe é mostrado em Gossip Girl e nas revistas de moda. Talvez, esse seja o elemento X da receita viral: consumimos flagelos, fragmentos do que realmente é a moda e o Savoir-Faire francês, portanto, nos identificamos com os comportamentos e o vestuário caricatural da personagem.

Por meio dos clichês, da foto do croissant, do exagero do styling (com boina, luva e contraste de cores) vivemos indiretamente a Cidade Luz! (com um pain au chocolat em uma das mãos e uma bolsa Chanel na outra)

A série faz um enorme exagero dos estereótipos americano e francês, tanto no estilo de vida quanto no vestuário. Esse é um dos motivos pelo qual o seriado mais foi criticado pelos especialistas em moda. Não são as peças de roupa alvo das críticas, porém a acumulação de Emily (a sobreposição de padrões, camadas e cores brilhantes, os chapéus rosa e violeta, o lenço rosa e a mistura de texturas).

De fato, muita informação contrasta na composição de vários looks da Emily, às vezes em desarmonia.

Além disso, as roupas da personagem parecem fora de contato com a realidade, tanto na alfaiataria quanto no dia a dia. As roupas são muito brilhantes, vistosas, caricaturais e pouco versáteis para o dia a dia. Os saltos altos que Emily usa no seu cotidiano não têm nenhuma praticidade para a rotina de um parisiense real que utiliza o metrô e caminha por ruas sinuosas.

Na verdade, não estamos preocupados se o guarda-roupa de Emily é realista ou não! Claro, com seu salário provavelmente ela não poderia pagar por todas as edições limitadas da Chanel, os saltos Louboutin ou os acessórios Dior que usa regularmente.

Talvez, o exagero caricatural das roupas de Emily seja intencionalmente para enfatizar a diferença entre ela e Paris (levando a metáfora de peixe fora d’água ao extremo). O guarda-roupa está em total discordância com o ambiente, assim como a personagem encontra-se deslocada ali. Entretanto, conforme a série evolui e os episódios vão passando, percebemos o empenho da personagem em se adequar e a manifestação disso no figurino. Ela usa e abusa dos clichês franceses: boinas, lenços, pied de poule e xadrez.

A contraparte francesa ao vestuário de Emily, representada por Camille, combina peças de roupa de forma muito mais coerente, com cores sóbrias e looks práticos para a vida real. A Vogue Singapura elegeu Camille a verdadeira estrela fashion de ‘Emily in paris’.

Camille exala a ilusão de uma garota francesa sem esforço desde sua primeira aparição na floricultura, onde está vestindo um casaco marinho discreto em contraste direto com o casaco fúcsia brilhante de Emily.

Um grande acerto do seriado foi descrever com precisão os debates da indústria da moda e do luxo sobre as formas de publicidade contemporânea. As tensões dentro da indústria entre o maçante marketing digital e a velha mídia persistem também no mundo real, fora do catálogo da Netflix.

Ademais, os debates sobre o elitismo masculino dentro da publicidade e da moda também são muito coerentes com o cenário social em que vivemos. Ainda, o olhar masculino sexista predomina em diversas campanhas milionárias com as quais as mulheres simplesmente não se identificam.

Emily in Paris é uma nostalgia e tanto para os amantes da moda dos anos 2000. Porém, também traz diversas problemáticas que os filmes e seriados dessa época implicam: pouca diversidade no elenco, relações abusivas de trabalho e enredo heteronormativo. Do ponto de vista da moda, o figurino é bem distante do que os jovens usam hoje, além de só dar visibilidade para as tradicionais casas de moda, esquecendo o amplo espaço conquistado pelas novas grifes vanguardistas em todas as categorias de moda.

Ainda que envolva roupas de grife, combinações inusitadas e styling único e cheio de personalidade, Emily não chega aos pés de quem foi Blair Waldorf ou Carrie Bradshow. Não é apenas o figurino que compõe uma personagem ‘fashionista’, mas também o enredo bem construído, forte personalidade e presença de palco. Será se Lily Collins vai dar conta do recado?

Cabe a nós acompanhar a evolução da personagem e do figurino. Estamos ansiosos pelas próximas temporadas! Confira abaixo os 5 melhores looks usados por Emily durante a primeira temporada:

5. Fúcsia da cabeça aos pés

Para quem ama looks monocromáticos aqui está a obra-prima de toda a série!

A combinação encaixou-se perfeitamente para o momento, porque não estamos falando da cor, mas sim do sentimento-fúcsia que é um humor da cabeça aos pés!

4. Chanel se encontra com Versace que se encontra com Marc Jobs

Uma mistura de grifes e cores sólidas que tinha tudo para dar errado, mas contrariando as leis físicas da moda deu muito certo! Bravo, Emily, bravo!

3. La vie en rose, é claro!

Existe clichê maior do que comprar rosas na floricultura da esquina, em Paris? O casaco Kenzo de cashmere rosa brilhante e a bolsa Chanel nos fazem sonhar, enquanto a camiseta pastel, meia-calça preta e tênis completam o look com um agradável toque de realismo.

2. Vestido floral

Lily Collins usando um vestido com estampa de lírio? Muito francesa! O vestido funcionou perfeitamente, criando espaços para respirar e esculpindo zonas vazias onde a beleza e a personalidade podem emanar naturalmente.

Não dá para esquecer a influência de Blair Waldorf para este look!

1. Vestido preto no balé

Ela está nos dando Audrey Hepburn em Funny Face. Ela está nos dando Andy no baile de O Diabo Veste Prada. Ela está nos dando Blair Waldorf. Ela está nos dando o melhor de Emily e nós amamos!

4 comentários »

  1. Simplesmente perfeito o seu olhar e seu ponto de vista sobre essa série que amei assistir (e também estou super ansiosa para a próxima temporada 🤗). Detalhista e com conceitos fortes e contundentes. Parabéns!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s